11 abril, 2020

Revisão do mês (Março/2020)


Ao começar essa revisão de Março, eu dei um longo suspiro. Depois de: dois meses de férias das crianças, um freela alocada 8h por dia, emendada em outros dois freelas, eu pensei que finalmente teria um pouco de tempo pra me dedicar APENAS aos meus projetos. Aí veio o Covid-19 (kkkk, rindo pra não chorar).

Comentei na revisão de Fevereiro que tínhamos decidido dispensar a nossa faxineira, mas como ainda estava com freelas no início do mês, continuei dependendo de ajuda com a casa. As crianças começaram já no dia 2 no integral do jardim, então quanto a isso fiquei tranquila.

Logo na primeira semana do mês eu fui chamada pra "apagar um incêndio" para um cliente. Foram apenas 3 dias de trabalho, mas meu Deus, como exigiu! Fiz realmente papel de "bombeira", hehe. No último dia de serviço inclusive, trabalhei até 3h da manhã. Mas passou, fiz uma ótima entrega e recebi. Na sequência, depois de um vai não vai com pagamento, comecei o outro freela.

Nesse job eu fiquei até o dia 16, quando entreguei a última versão do documento. Mas segura aí que vamos voltar a esse trabalho, porque rendeu. No meio tempo eu dei uma perdida geral no restante da vida. Comecei o mês com uma baita de uma gripe e fiquei bastante cansada nos dias seguintes. Também acabei ficando desestimulada por um lançamento que fiz entre Fevereiro e Março na minha loja, e que não deu muito certo de primeira.

A primeira metade do mês foi muito tranquila e bacana. Já tinha caso confirmado de coronavirus no Brasil, mas ainda não se falava de casos em Brasília, então até então tava todo mundo muito de boa. Eu aproveitei os pagamentos de 3 freelas na carreira pra adiantar em um mês os pagamentos das minhas contas, e aproveitei uma folguinha pra me presentear e à família com pequenos mimos. 

Almocei sozinha (coisa que eu adoro!) num restaurante japonês que eu curto, saímos todos juntos pra jantar, levei as crianças pra uma tarde divertida, com brinquedoteca, livraria e guloseimas... Na semana seguinte, fui para Uberlândia ver o show dos Backstreet Boys e fiquei MUITO orgulhosa de mim mesma. Quando eu comprei o ingresso, ano passado, eu não fazia ideia do que estaria fazendo agora e muito menos se teria dinheiro pra viajar. Mas ali estava eu, num hotel muito massa (o mesmo em que eles estavam! mas só vi staff), pagando sozinha pelas minhas despesas. Parece bobagem mas foi um momento muito simbólico pra mim.

O show foi uma realização à parte: esperei desde a adolescência por esse momento! Curti, gritei, cantei. Mais uma experiência inesquecível pro meu caderninho de lembranças. Nessa semana o assunto corona começou a ficar um pouco mais sério, e eu até viajei meio receosa, pensei em ir de máscara pro show, mas desencanei.

Só que o mundo virou de ponta-cabeça do dia que eu fui pro dia que eu voltei de Uberlândia. Povo surtou, já tinha caso em Brasília (a primeira paciente continua em estado grave!) e no dia que voltei, o governador declarou suspensão das aulas na rede pública até a semana seguinte. Como eu tinha enchido a lata em Uberlândia, voltei no busão numa ressaca danada (e pra piorar quase não bebi água no dia seguinte) e fiquei bem neurótica no dia seguinte.

As coisas só pioraram no final de semana porque começou um debate ferrenho no grupo de pais da escola sobre se deveriam ou não suspender as aulas. No domingo (15) mesmo eu decidi não mandar mais as crianças. No dia seguinte o governo decretou oficialmente a quarentena, e desde então estamos em casa, saindo apenas pra suprir necessidades básicas.

Meu nível de stress com o Covid-19 foi insano nos primeiros dias. Tão insano que eu fiquei doente. Minha imunidade sempre cai muito na época da TPM, e bem nesses dias surgiram umas perebas no meu rosto e pescoço, tipo queimaduras (dessas feias, com bolhas). Por uns dois dias também sofri uma dor no ombro e braços, tipo uma tendinite excruciante. Só dormi depois de muito remédio pra dor.

Com medo de ir ao hospital, fui buscar no Google, e minha suspeita era de que fosse herpes zóster. Meu marido tem um amigo que já teve isso, e sentiu as mesmas coisas. Uma colega médica, que muito carinhosamente me atendeu pra tirar minha dúvida, também confirmou. Em resumo, o zóster é um tipo de herpes que aparece em quem já teve catapora, geralmente em decorrência de stress e baixa imunidade. O vírus "caminha" nos nervos, o que provoca a dor (se não for tratado pode causar dores crônicas pro resto da vida), e as perebas da catapora aparecem, mas concentradas em algumas partes do corpo. Meus gânglios também incharam e ficaram super doloridos. Não recomendo que procure fotos no Google, kkkk.

Mas comecei logo a tomar o remédio e depois de 4 dias as perebas começaram a secar e a dor passou. Ainda estou com casca nas feridas. Esse episódio me fez ficar ainda mais amedrontada com o corona, pois essa minha baixa de imunidade mensal tem sido recorrente, e pelo menos nos últimos 3 meses eu lembro de ter tido algum probleminha. Reforcei as vitaminas e quando entrar na TPM se eu puder, compro uma bolha pra ficar dentro.

Nessa janela de stress infernal eu também tomei um calote, daquele freela que comentei a que voltaria ali em cima. O job em questão era uma licitação, que foi suspensa assim que o governo decretou a quarentena. O contratante entendeu e decidiu sozinho, que o "justo" seria pagar 50% a todos os envolvidos, só que na prática, boa parte da equipe já tinha entregado pelo menos 80% do serviço. Eu pelo menos entreguei a minha parte inteira. Só não digo que finalizei porque ainda não estava revisado o documento.

Foi um serviço que eu fiquei relutante em pegar, desde o início minha intuição me disse que era problema. Eu coloquei como condição receber 50% adiantado, pra prevenir qualquer problema, mas custou pra eu receber essa primeira metade (que nem foi exatamente a metade). Chegou no ponto de eu ter que colocar uma data-limite pra receber, ou estaria fora do freela. Enfim, estou vendo como resolver isso, e estou considerando medidas judiciais, mas agora de qualquer maneira, tem que esperar o judiciário retomar as atividades.

Disso pra cá, a vida tem sido sem muita novidade, mas com muito stress e ansiedade pra lidar. O último destaque foi o aniversário de 3 anos da Luiza, no dia 20. Já estava com tudo organizado pra festinha: espaço reservado, muitas compras feitas e coisas pagas, mas tivemos de suspender, e pelo jeito é muito provável que quando acontecer, seja uma festa dupla, pra ela e pro João, que faz 5 no dia 22/05.

Comemoramos com um bolo, jantar e brincadeiras pra ela o dia todo. Ela amou. Eu já tinha pedido o presente dela pela internet com antecedência, então nesse quesito também não passou em branco. Senti muito orgulho de ser uma pessoa organizada nesse dia, pois se não fosse isso ela ficaria sem presente nenhum. Poucos dias depois também chegou pelo Correio um presente da dinda dela. <3

E assim se encerrou Março. Até a próxima revisão!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre muito bem-vindo! Obrigada pela sua visita.

O Irlandês (The man who painted houses) - Resenha do livro de Março

Saindo um pouco do tema de revisões e rotinas, vim fazer uma resenha do livro que li em Março, Que foi O Irlandês (The man who painted h...